Business

Barry Diller aposta em veteranos da mídia para reverter o Daily Beast

O Daily Beast é há muito tempo uma exceção no império digital do bilionário Barry Diller. À medida que sites como Match.com e Expedia ganharam milhões ao longo dos anos, o tablóide digital de Diller perdeu dinheiro, publicando furo após furo, mas lutando para obter lucro.

Agora, Diller está fazendo um grande esforço para mudar isso e trouxe Ben Sherwood, ex-presidente do Disney ABC Television Group, e Joanna Coles, ex-diretora de conteúdo da Hearst Magazines, para ajudar.

Sherwood e Coles receberão uma participação acionária equivalente a cerca de metade do The Daily Beast, com a IAC mantendo a maioria, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto. Isso lhes permitirá participar do sucesso financeiro do site se conseguirem expandir seus negócios. Cada um deles receberá salários. Sherwood, 60 anos, será o executivo-chefe e editor, e a Sra. Coles, 61 anos, será diretora de criação e conteúdo.

A IAC recusou-se a fornecer detalhes sobre os termos financeiros específicos.

A decisão de trazer Sherwood e Coles veio depois que Diller considerou a venda do The Daily Beast e conversou com vários pretendentes. Um acordo potencial com Janice Min, fundadora da empresa de newsletters de Hollywood Ankler Media e ex-editora principal do The Hollywood Reporter, não deu certo.

“Quando Ben e Joanna fizeram essa apresentação, eu realmente cheguei ao ponto de ficar meio cético quanto à possibilidade de alguma coisa funcionar, a não ser vendê-lo”, disse Diller. “Mas fiquei muito impressionado com o conceito, a energia e o interesse deles.”

Sherwood disse que o plano para revitalizar o The Daily Beast se inspiraria em outras publicações que obtiveram lucratividade por meio de uma combinação de assinaturas, publicidade e eventos. Depois de construir e vender outro negócio, uma empresa de esportes juvenis chamada Mojo, Sherwood – que também chefiava a ABC News – disse que se viu voltando para o jornalismo, onde sentiu que poderia fazer as maiores contribuições.

“A primeira e mais importante parte é entrar lá, avaliar, observar e então começar a influenciar a forma como fazemos coisas excelentes e como fazemos as pessoas sentirem que o The Daily Beast é uma necessidade culpada todos os dias”, disse o Sr. Sherwood disse.

Coles e Sherwood estavam em negociações em 2019 para se associarem em um empreendimento de mídia digital que chamaram de “Projeto Scoop”, mas o colocaram em segundo plano para buscar outras coisas. Então, quando um banqueiro de Diller entrou em contato no início deste ano, eles já tinham uma visão compartilhada de como seria sua versão do The Daily Beast e apresentaram uma parceria a Diller.

“A Besta sempre superou seu peso”, disse Coles. “Estou entusiasmado por ter uma plataforma onde podemos apontar as hipocrisias das pessoas na vida pública, onde podemos nos concentrar nas pessoas que se comportam mal e nos aprofundar nos detalhes em torno das pessoas que são muito reveladores.”

Sherwood e Coles disseram que era o momento perfeito para voltar ao ramo de notícias. As próximas eleições presidenciais, combinadas com a acusação do antigo Presidente Donald J. Trump e a turbulência no Médio Oriente, sublinham a importância de notícias confiáveis, disseram.

Disco relatado anteriormente que o Sr. Sherwood e a Sra. Coles estavam em negociações para se juntar à Besta.

Fundado em 2008 pela ex-editora da Vanity Fair, Tina Brown, com o apoio da IAC, o The Daily Beast ganhou a reputação de conseguir uma parcela desproporcional de histórias exclusivas sobre mídia, política e segurança nacional para sua equipe relativamente pequena – agora tem cerca de 100 pessoas. .

Mas os negócios da publicação nunca acompanharam o sucesso jornalístico. Uma fusão com a Newsweek em 2010, que pretendia casar a seriedade de uma revista de notícias famosa com a destreza digital de uma start-up, não durou. Diller vendeu a Newsweek em 2013 para o International Business Times.

Apesar dessas dificuldades, Diller está otimista em relação às empresas de notícias on-line que publicam jornalismo original.

“Quando algo está atrás de um acesso pago, a barreira é bastante alta para fazer as pessoas dizerem que realmente pagarão por algo”, disse Diller. “Mas adivinhe? Isso acontece em todo lugar.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button