News

Desculpe, mas o Irã não é o agressor aqui

No sábado, 13 de abril, o Irão lançou centenas de drones e mísseis contra Israel em retaliação a um ataque mortal israelita ao consulado iraniano em Damasco, na Síria, ocorrido em 1 de abril.

A grande maioria dos projéteis foi interceptada pelo sistema de defesa aérea de Israel, com a ajuda dos sempre prestativos militares dos Estados Unidos, e os danos foram mínimos. Tendo completado a sua retaliação, o Irão declarou agora que o assunto pode “ser considerado concluído” – embora Israel não seja normalmente do tipo que deixa qualquer outra pessoa ter a última palavra.

Entretanto, a enxurrada de críticas à “agressão” de Teerão continuou inabalável no Ocidente.

O primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, condenou “nos termos mais veementes o ataque imprudente do regime iraniano contra Israel”, que ele insistiu ter mostrado mais uma vez que o Irão estava “intencionado a semear o caos no seu próprio quintal”. O Ministério dos Negócios Estrangeiros checo lamentou que “o comportamento agressivo do Irão a longo prazo esteja a impedir a região do Médio Oriente de viver em paz e segurança”.

Por seu lado, o primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, queixou-se do “desrespeito do Irão pela paz e estabilidade na região” e regurgitou aquele velho e cansado slogan sobre “o direito de Israel a defender-se”. O Embaixador da Alemanha em Israel, Steffen Seibert, recorreu às redes sociais para proclamar a solidariedade alemã “esta noite com todos os israelitas que o Irão está a aterrorizar com este ataque implacável e sem precedentes”.

Por último, o presidente dos EUA, Joe Biden, que foi forçado a encurtar o seu fim de semana na praia devido aos acontecimentos, anunciou: “O nosso compromisso com a segurança de Israel contra as ameaças do Irão e dos seus representantes é inflexível”.

O ataque iraniano, lembre-se, ocorreu pouco mais de seis meses após a contínua pulverização da Faixa de Gaza por Israel, que matou quase 34 mil palestinos, incluindo cerca de 13.800 crianças. E, no entanto, tendo em conta os milhares de pessoas desaparecidas que se presume estarem soterradas sob os escombros, mesmo estes números assustadores são, sem dúvida, gravemente subestimados.

Mais de 76.000 pessoas ficaram feridas, enquanto os militares israelitas se ocupavam em arrasar bairros inteiros e em explodir escolas, hospitais e outras infra-estruturas básicas, ao mesmo tempo que condenavam os habitantes do território à fome e à fome.

Fale sobre “aterrorizar”.

Na verdade, o genocídio nada mais é do que um “comportamento agressivo de longo prazo” – para tomar emprestadas as palavras do Ministério dos Negócios Estrangeiros checo. Se todo o negócio não fosse tão hediondo sem precedentes, seria quase ridículo afirmar que o Irão é quem “intenciona semear o caos” e desconsidera “a paz e a estabilidade na região”.

Mas porque o papel descomunal de Israel como parceiro valioso dos EUA no crime confere-lhe o direito a uma subversão total da lógica, os genocidas tornam-se vítimas e a agressão israelita absoluta torna-se “autodefesa”. E não importa o ataque israelita de 1 de Abril ao consulado iraniano em Damasco; isso foi apenas retaliação preventiva, certo?

No entanto, à luz da matança incessante em Gaza, a resposta ocidental aos mísseis e drones iranianos interceptados é repugnantemente cínica. A afirmação patética de Sunak de que “ninguém quer ver mais derramamento de sangue” não leva em conta a realidade de que, desde que seja sangue palestiniano, está tudo bem.

Infelizmente, o espectáculo iraniano pode fornecer à administração Biden exactamente aquilo de que necessita para desviar o foco de Gaza – e especificamente da cumplicidade dos EUA no genocídio. Afinal, seria um dia triste para a indústria de armamento se os EUA tivessem de parar de enviar tantas armas a um cliente tão activo.

De acordo com o Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo, os EUA foram responsáveis ​​por 69 por cento das importações de armas pelos militares israelitas entre 2019 e 2023, quando o genocídio total começou.

Chega de “paz e estabilidade”.

Mas nunca se deve subestimar a utilidade imperial da boa e velha ameaça iraniana para justificar qualquer política dos EUA que precise de ser justificada. Lembremos a inclusão de Teerã na lista original do “eixo do mal”, cortesia do ex-presidente dos EUA George W. Bush, que em seu discurso sobre o Estado da União de 2002 denunciou o Irã por buscar “agressivamente” armas de destruição em massa e “exportar[ing] terror”.

Armados com o referido “eixo”, os EUA envolveram-se em nada menos do que destruição em massa e terror em todo o Médio Oriente e além.

Avançando 22 anos para a atual era de destruição, o bicho-papão iraniano estará mais útil do que nunca. Após o ataque deste fim de semana, talvez o refrão favorito de todos “Mas você condena o Hamas?” pode ser atualizado para: “Mas você condena o Irã?”

Quanto às coisas genuinamente dignas de condenação, estas continuam a incluir, bem, o genocídio em Gaza – para não mencionar a insistência descaradamente hipócrita do Ocidente no “direito à autodefesa” de Israel, o que em última análise equivale a uma apologética genocida.

E enquanto os líderes continuam a tropeçar em si mesmos em afirmação de solidariedade com Israel após este “ataque sem precedentes”, todos faríamos bem em lembrar que se colhe o que se planta – e que o Irão não é o agressor aqui.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button