Tech

Esforços avançados da China para influenciar as eleições nos EUA levantam alarmes

Contas secretas chinesas estão se disfarçando online como apoiadores americanos do ex-presidente Donald J. Trump, promovendo teorias da conspiração, alimentando divisões internas e atacando o presidente Biden antes das eleições de novembro, de acordo com pesquisadores e funcionários do governo.

Os relatos sinalizam uma potencial mudança tática na forma como Pequim pretende influenciar a política americana, com maior disposição para atingir candidatos e partidos específicos, incluindo Biden.

Num eco da campanha de influência da Rússia antes das eleições de 2016, a China parece estar a tentar aproveitar as divisões partidárias para minar as políticas da administração Biden, apesar dos esforços recentes dos dois países para baixar a temperatura nas suas relações.

Algumas das contas chinesas se fazem passar por fãs fervorosos de Trump, incluindo uma no X que pretendia ser “pai, marido e filho” que era “MAGA de todo jeito!!” As contas zombavam da idade de Biden e compartilhavam imagens falsas dele em um macacão de prisão, ou alegavam que Biden era um pedófilo satanista enquanto promoviam o slogan “Make America Great Again” de Trump.

“Nunca vi nada nesse sentido antes”, disse Elise Thomas, analista sênior do Institute for Strategic Dialogue, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos que descobriu um pequeno grupo de contas falsas que se faziam passar por apoiadores de Trump.

Thomas e outros pesquisadores vincularam a nova atividade a uma antiga rede de contas conectadas ao governo chinês, conhecida como Spamouflage. Várias das contas que detalharam publicaram anteriormente conteúdo pró-Pequim em mandarim – apenas para ressurgir nos últimos meses sob o disfarce de verdadeiros americanos escrevendo em inglês.

Num projecto separado, a Fundação para a Defesa das Democracias, uma organização de investigação em Washington, identificado 170 páginas e contas não autênticas no Facebook que também divulgaram mensagens antiamericanas, incluindo ataques direcionados ao Sr.

O esforço atraiu com mais sucesso a atenção dos utilizadores reais e tornou-se mais difícil de ser identificado pelos investigadores do que os esforços chineses anteriores para influenciar a opinião pública nos Estados Unidos. Embora os investigadores digam que a inclinação política geral da campanha permanece obscura, levantou a possibilidade de o governo da China estar a calcular que uma segunda presidência de Trump, apesar das suas declarações por vezes hostis contra o país, pode ser preferível a um segundo mandato de Biden.

A actividade da China já levantou alarmes dentro do governo americano.

Em fevereiro, o Gabinete do Diretor de Inteligência Nacional relataram que a China estava a expandir as suas campanhas de influência para “semear dúvidas sobre a liderança dos EUA, minar a democracia e alargar a influência de Pequim”. O relatório expressou preocupação com o facto de Pequim poder utilizar métodos cada vez mais sofisticados para tentar influenciar as eleições americanas “para marginalizar os críticos da China”.

A Sra. Thomas, que estuda as operações de informação da China há anos, disse que o novo esforço sugere uma abordagem mais subtil e sofisticada do que as campanhas anteriores. Foi a primeira vez, disse ela, que encontrou contas chinesas que se apresentavam de forma tão persuasiva como norte-americanas que apoiavam Trump, ao mesmo tempo que conseguiam atrair um envolvimento genuíno.

“A preocupação sempre foi: e se um dia eles acordarem e forem eficazes?” ela disse. “Potencialmente, este pode ser o começo para eles acordarem e serem eficazes.”

Os especialistas em desinformação online olham para os meses que antecedem as eleições de novembro com uma ansiedade crescente.

Avaliações de inteligência mostram que a Rússia utiliza tácticas de influência cada vez mais subtis nos Estados Unidos para espalhar a sua defesa do isolacionismo à medida que a sua guerra contra a Ucrânia continua. Sites de notícias falsas têm como alvo os americanos com propaganda russa.

Os esforços para combater as narrativas falsas e as teorias da conspiração – que já são uma tarefa difícil – devem agora também enfrentar o declínio dos esforços de moderação nas plataformas de redes sociais, a resistência política, o rápido avanço da tecnologia de inteligência artificial e a ampla fadiga da informação.

Até agora, os esforços da China para fazer avançar a sua ideologia no Ocidente lutaram para ganhar força, primeiro quando promoveu a sua propaganda oficial sobre a superioridade da sua cultura e economia e, mais tarde, quando começou a denegrir a democracia e a alimentar o sentimento antiamericano.

Nas eleições intercalares de 2022, a empresa de segurança cibernética Mandiant informou que Ponte do Dragão, uma campanha de influência ligada à China, tentou desencorajar os americanos de votar, ao mesmo tempo que destacava a polarização política dos EUA. Essa campanha, que experimentou falsas personalidades americanas postando conteúdo na primeira pessoa, foi mal executada e amplamente ignorada online, disseram os pesquisadores.

As recentes campanhas ligadas à China procuraram explorar as divisões já aparentes na política americana, juntando-se ao debate divisivo sobre questões como os direitos dos homossexuais, a imigração e o crime, principalmente numa perspectiva de direita.

Em Fevereiro, de acordo com o Instituto para o Diálogo Estratégico, uma conta ligada à China no X que se autodenomina um nome ocidental juntamente com uma referência “MAGA 2024” partilhou um vídeo da RT, a rede de televisão russa controlada pelo Kremlin, para afirmar que o Sr. Biden e a Agência Central de Inteligência enviaram um gangster neonazista para lutar na Ucrânia. (Essa narrativa foi desmascarado pelo grupo investigativo Bellingcat.)

No dia seguinte, a postagem recebeu um enorme impulso quando Alex Jones, o podcaster conhecido por espalhar falsas alegações e teorias da conspiração, a compartilhou na plataforma com seus 2,2 milhões de seguidores.

A conta com a referência “MAGA 2024” tomou medidas para parecer autêntica, descrevendo-se como sendo administrada por um apoiador de Trump de 43 anos em Los Angeles. Mas usou uma foto de perfil retirada do blog de viagens de um dinamarquês, segundo o relatório do instituto sobre as contas. Embora a conta tenha sido aberta há 14 anos, a sua primeira publicação publicamente visível foi em abril passado. Nessa postagem, o relato tentou, sem provas, vincular Biden a Jeffrey Epstein, o financista desgraçado e criminoso sexual registrado.

Pelo menos quatro outras contas semelhantes também estão operando, disse Thomas, todas elas com ligações com a China. Uma conta pagou uma assinatura no X, que oferece vantagens como melhor promoção e uma marca de seleção azul que era, antes de Elon Musk comprar a plataforma, um sinal de verificação conferido aos usuários cujas identidades foram verificadas. Tal como as outras contas, partilhava alegações pró-Trump e anti-Biden, incluindo a teoria da conspiração QAnon e acusações infundadas de fraude eleitoral.

As postagens incluíam exortações para “sermos fortes, não difamar a China e criar rumores”, frases estranhas como “como ousamos?” em vez de “como você ousa?” e sinais de que o navegador do usuário foi configurado para mandarim.

Uma das contas pareceu falhar em maio, quando respondeu a outra postagem em mandarim; outro postou principalmente em mandarim até a primavera passada, quando ficou em silêncio por um breve período antes de ressurgir com conteúdo totalmente em inglês. As contas denunciaram os esforços dos legisladores americanos para proibir o popular aplicativo TikTok, que pertence à empresa chinesa ByteDance, como uma forma de “verdadeiro autoritarismo” orquestrado por Israel e como uma ferramenta para Biden minar a China.

As contas por vezes amplificavam ou repetiam conteúdo da campanha de influência chinesa Spamouflage, que foi identificada pela primeira vez em 2019 e ligada a um braço do Ministério da Segurança Pública. Certa vez, publicou conteúdo quase exclusivamente em chinês para atacar os críticos e manifestantes do Partido Comunista em Hong Kong.

Nos últimos anos, mudou para se concentrar nos Estados Unidos, retratando o país como dominado pelo caos. Em 2020, publicava em inglês e criticava a política externa americana, bem como questões internas nos Estados Unidos, incluindo a sua resposta à Covid-19 e aos desastres naturais, como os incêndios florestais no Havai no ano passado.

China, que negou interferência nos assuntos internos de outros países, parece estar agora a construir uma rede de contas em muitas plataformas para utilizar em Novembro. “Isso lembra o estilo de operações da Rússia, mas a diferença está mais na intensidade desta operação”, disse Margot Fulde-Hardy, ex-analista da Viginum, a agência governamental francesa que combate a desinformação online.

No passado, muitas contas do Spamouflage seguiram-se umas às outras, publicaram de forma desleixada em vários idiomas e simultaneamente bombardearam os utilizadores das redes sociais com mensagens idênticas em múltiplas plataformas.

As contas mais recentes são mais difíceis de encontrar porque estão tentando construir seguidores orgânicos e parecem ser controladas por humanos, em vez de bots automatizados. Uma das contas no X também tinha perfis vinculados no Instagram e Threads, criando uma aparência de autenticidade.

A Meta, dona do Instagram e do Threads, removeu no ano passado milhares de contas não autênticas vinculadas ao Spamouflage no Facebook e outras no Instagram. Ele chamou uma rede que havia removido de “a maior operação de influência de plataforma cruzada conhecida até o momento”. Centenas de contas relacionadas permaneceram em outras plataformas, incluindo TikTok, X, LiveJournal e Blogspot, disse Meta.

A Fundação para a Defesa das Democracias documentou um novo grupo coordenado de contas chinesas ligadas a uma página do Facebook com 3.000 seguidores chamada Guerra de Algumas Coisas. O relatório sublinha a persistência dos esforços da China, apesar dos repetidos esforços da Meta para derrubar contas Spamouflage.

“O que estamos a ver”, disse Max Lesser, analista sénior da fundação, “é que a campanha continua, implacável”.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button