News

Europa promete aumentar ajuda ao Sudão no indesejável aniversário da guerra

A Alemanha promete 260 milhões de dólares quando diplomatas europeus se reunirem em Paris para assinalar o primeiro aniversário do conflito.

A Alemanha fornecerá 244 milhões de euros (260 milhões de dólares) em ajuda humanitária ao Sudão, um ano depois de o país ter mergulhado na guerra, uma vez que outros países europeus também deverão prometer mais fundos.

Diplomatas europeus reuniram-se em França na segunda-feira para assinalar o aniversário do conflito que matou dezenas de milhares de pessoas e deslocou 8,5 milhões desde o início dos combates entre as Forças Armadas Sudanesas (SAF) e as Forças Paramilitares de Apoio Rápido (RSF) em Abril passado.

“Podemos conseguir juntos evitar uma terrível catástrofe de fome, mas apenas se agirmos juntos agora”, disse a ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, ao anunciar a promessa de fundos. Ela acrescentou que, na pior das hipóteses, um milhão de sudaneses poderá morrer de fome este ano.

Na conferência, a França procura contribuições da comunidade internacional e atenção para uma crise que as autoridades dizem estar a ser excluída do debate global pelos conflitos em curso na Ucrânia e em Gaza.

“Durante um ano, o povo sudanês foi vítima de uma guerra terrível”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Stephane Sejourne. No entanto, eles também sofreram com o “esquecimento” e a “indiferença”.

“Esta é a razão das nossas reuniões de hoje: quebrar o silêncio que rodeia este conflito e mobilizar a comunidade internacional”, disse ele no discurso de abertura.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros e Europeus da França, Stephane Sejourne European, a Ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, Annalena Baerbock, o Comissário Janez Lenarcic e o chefe da política externa da União Europeia, Josep Borrell, participam numa reunião com autoridades como parte de uma Conferência Humanitária Internacional para o Sudão e Países Vizinhos no Quai d'Orsay em Paris, França, 15 de abril de 2024.
O ministro das Relações Exteriores da França, Sejourne, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Baerbock, o chefe de política externa da União Europeia, Josep Borrell, e outros participam de uma reunião com autoridades como parte de uma conferência humanitária internacional para o Sudão e países vizinhos em Paris, França [Sarah Meyssonnier/Pool/Reuters]

Espera-se que os doadores doem “bem mais de mil milhões de euros” (1,07 mil milhões de dólares) na conferência, disse uma fonte diplomática francesa à agência de notícias Reuters, sem especificar de onde virá o resto do dinheiro.

Os Estados Unidos, esperando que a conferência de Paris pudesse afrouxar os cordões à bolsa em outros lugares, também planejavam anunciar uma ajuda adicional de US$ 100 milhões, informou a Reuters no domingo.

Entretanto, o Reino Unido anunciou na segunda-feira sanções contra empresas ligadas às partes em conflito no Sudão.

O Ministério das Relações Exteriores disse que “medidas rigorosas” incluiriam o congelamento de ativos de empresas ligadas à SAF e à RSF.

“Continuamos a assistir a atrocidades terríveis contra civis, restrições inaceitáveis ​​ao acesso humanitário e um total desrespeito pela vida civil”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron.

“As empresas que apoiam as partes em conflito devem ser responsabilizadas, juntamente com os responsáveis ​​pelas violações dos direitos humanos. O mundo não deve esquecer o Sudão. Precisamos urgentemente acabar com a violência.”

‘Desastre humanitário’

O Sudão entrou em conflito em 15 de abril de 2023, quando as tensões latentes entre os militares e a RSF explodiram em combates abertos na capital, Cartum, e no resto do país.

Desde então, a guerra devastou infra-estruturas, provocou alertas de fome e deslocou milhões de pessoas. Cerca de 1,8 milhões de pessoas fugiram do Sudão, muitas delas para o vizinho Chade, que agora também sofre uma crise humanitária; outros 6,7 milhões estão deslocados internamente.

Milhares de civis foram mortos, embora as estimativas do número de mortos sejam altamente incertas e cada lado tenha sido acusado de cometer crimes de guerra. Ambos os lados negaram amplamente as acusações contra eles.

As Nações Unidas afirmaram recentemente que o Sudão está a viver “um dos piores desastres humanitários da memória recente” e “a maior crise de deslocamento interno do mundo”.

Fez um pedido de 2,7 mil milhões de dólares para ajuda dentro do país, onde 25 milhões de pessoas precisam de assistência, e outros 1,4 mil milhões de dólares para assistência em países vizinhos que albergaram centenas de milhares de refugiados.

Na semana passada, o enviado especial dos EUA, Tom Perriello, classificou a resposta internacional até agora de “lamentável”. “Estamos com 5% do valor necessário”, disse ele.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button