Tech

Microsoft faz apostas altas na Guerra Fria Tecnológica com acordo de IA dos Emirados

A Microsoft planeja anunciar na terça-feira um investimento de US$ 1,5 bilhão no G42, um gigante da inteligência artificial nos Emirados Árabes Unidos, em um acordo amplamente orquestrado pelo governo Biden para excluir a China enquanto Washington e Pequim disputam quem exercerá influência tecnológica no Golfo. região e além.

No âmbito da parceria, a Microsoft dará permissão ao G42 para vender serviços Microsoft que utilizam poderosos chips de IA, que são usados ​​para treinar e ajustar modelos generativos de IA. Em troca, o G42, que tem estado sob escrutínio de Washington devido aos seus laços com a China, utilizará os serviços em nuvem da Microsoft e aderirá a um acordo de segurança negociado em conversas detalhadas com o governo dos EUA. Coloca uma série de proteções nos produtos de IA partilhados com o G42 e inclui um acordo para retirar equipamentos chineses das operações do G42, entre outras medidas.

“Quando se trata de tecnologia emergente, não se pode estar ao mesmo tempo no campo da China e no nosso”, disse Gina Raimondo, Secretária do Comércio, que viajou duas vezes aos EAU para falar sobre disposições de segurança para esta e outras parcerias.

O acordo é altamente incomum, disse Brad Smith, presidente da Microsoft, em entrevista, refletindo a extraordinária preocupação do governo dos EUA em proteger a propriedade intelectual por trás dos programas de IA.

“Os EUA estão naturalmente preocupados com o facto de a tecnologia mais importante ser protegida por uma empresa norte-americana de confiança”, disse Smith, que ocupará um lugar no conselho de administração do G42.

O investimento poderá ajudar os Estados Unidos a resistir à crescente influência da China na região do Golfo. Se as medidas forem bem sucedidas, o G42 seria trazido para o grupo dos EUA e reduziria os seus laços com a China. O acordo também poderá tornar-se um modelo de como as empresas norte-americanas aproveitam a sua liderança tecnológica em IA para afastar os países da tecnologia chinesa, ao mesmo tempo que obtêm enormes prémios financeiros.

Mas o assunto é delicado, uma vez que as autoridades dos EUA levantaram questões sobre o G42. Este ano, uma comissão do Congresso escreveu uma carta instando o Departamento do Comércio a analisar se o G42 deveria ser colocado sob restrições comerciais devido aos seus laços com a China, que incluem parcerias com empresas chinesas e funcionários provenientes de empresas ligadas ao governo.

Numa entrevista, Raimondo, que tem estado no centro de um esforço para impedir a China de obter os semicondutores mais avançados e os equipamentos para os fabricar, disse que o acordo “não autoriza a transferência de inteligência artificial, ou modelos de IA, ou GPUs” — os processadores necessários para desenvolver aplicações de IA — e “garante que essas tecnologias possam ser desenvolvidas, protegidas e implantadas com segurança”.

Embora os EAU e os Estados Unidos não tenham assinado um acordo separado, a Sra. Raimondo disse: “Fomos amplamente informados e estamos confiantes de que este acordo é consistente com os nossos valores”.

Em comunicado, Peng Xiao, presidente-executivo do grupo G42, disse que “através do investimento estratégico da Microsoft, estamos avançando em nossa missão de fornecer tecnologias de IA de ponta em escala”.

Os Estados Unidos e a China têm corrido para exercer influência tecnológica no Golfo, onde centenas de milhares de milhões de dólares estão em disputa e espera-se que grandes investidores, incluindo a Arábia Saudita, gastem milhares de milhões em tecnologia. Na pressa de diversificar para além do petróleo, muitos líderes da região voltaram-se para a IA – e ficaram satisfeitos por colocar os Estados Unidos e a China um contra o outro.

Embora os EAU sejam um importante parceiro diplomático e de inteligência dos EUA, e um dos maiores compradores de armas americanas, têm expandido cada vez mais os seus laços militares e económicos com a China. Uma parte do seu sistema de vigilância doméstico é construída com tecnologia chinesa e as suas telecomunicações funcionam com hardware da Huawei, um fornecedor chinês. Isto alimentou as preocupações das autoridades norte-americanas, que visitam frequentemente o país do Golfo Pérsico para discutir questões de segurança.

Mas as autoridades norte-americanas também estão preocupadas com o facto de a disseminação de uma poderosa tecnologia de IA, crítica para a segurança nacional, poder eventualmente ser utilizada pela China ou por engenheiros ligados ao governo chinês, se não for suficientemente protegida. No mês passado, um EUA O conselho de revisão de segurança cibernética criticou duramente a Microsoft por causa de um hack no qual invasores chineses obtiveram acesso a dados de altos funcionários. Qualquer grande fuga – por exemplo, por parte do G42 vendendo soluções de IA da Microsoft a empresas estabelecidas na região pela China – iria contra as políticas da administração Biden que têm procurado limitar o acesso da China à tecnologia de ponta.

“Esta é uma das tecnologias mais avançadas que os EUA possuem”, disse Gregory Allen, pesquisador do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais e ex-oficial de defesa dos EUA que trabalhou em IA. “Deve haver uma justificativa muito estratégica para transferi-la para qualquer lugar. ”

Para a Microsoft, um acordo com o G42 oferece acesso potencial a uma enorme riqueza dos Emirados. A empresa, cujo presidente é o Xeque Tahnoon bin Zayed, conselheiro de segurança nacional dos Emirados e irmão mais novo do governante do país, é uma parte essencial dos esforços dos EAU para se tornarem um importante interveniente na IA.

Apesar de um nome caprichosamente retirado do “Guia do Mochileiro das Galáxias”, em que a resposta à “questão fundamental da vida” é 42, o G42 está profundamente enraizado no estado de segurança dos Emirados. É especializada em IA e recentemente trabalhou na construção de um chatbot árabe, chamado Jais.

O G42 também está focado em biotecnologia e vigilância. Vários de seus executivos, incluindo Xiao, estavam associados a uma empresa chamada DarkMatter, uma empresa de inteligência cibernética e hackers dos Emirados que emprega ex-espiões.

Na sua carta deste ano, o Comité Bipartidário da Câmara do Partido Comunista Chinês disse que o Sr. Xiao estava ligado a uma extensa rede de empresas que “apoiam materialmente” o avanço tecnológico dos militares chineses.

As origens do acordo de terça-feira remontam às reuniões da Casa Branca no ano passado, quando os principais assessores de segurança nacional levantaram a questão junto dos executivos tecnológicos sobre como encorajar acordos comerciais que aprofundariam os laços dos EUA com empresas de todo o mundo, especialmente aquelas nas quais a China também está interessada.

Segundo o acordo, o G42 deixará de usar equipamentos de telecomunicações da Huawei, que os Estados Unidos temem que possam fornecer uma porta dos fundos para as agências de inteligência chinesas. O acordo obriga ainda o G42 a procurar autorização antes de partilhar as suas tecnologias com outros governos ou militares e proíbe-o de utilizar a tecnologia para vigilância. A Microsoft também terá o poder de auditar o uso de sua tecnologia pelo G42.

O G42 usaria o poder de computação da IA ​​no data center da Microsoft nos Emirados Árabes Unidos, tecnologia sensível que não pode ser vendida no país sem uma licença de exportação. O acesso ao poder computacional provavelmente daria ao G42 uma vantagem competitiva na região. Uma segunda fase do acordo, que poderá revelar-se ainda mais controversa e ainda não foi negociada, poderia transferir parte da tecnologia de IA da Microsoft para o G42.

Autoridades de inteligência americanas levantaram preocupações sobre o relacionamento do G42 com a China em uma série de avaliações confidenciais, informou anteriormente o The New York Times. Funcionários do governo Biden também pressionaram seus colegas dos Emirados a cortarem os laços da empresa com a China. Alguns responsáveis ​​acreditam que a campanha de pressão dos EUA produziu alguns resultados, mas continuam preocupados com os laços menos evidentes entre o G42 e a China.

Um executivo do G42 trabalhou anteriormente na empresa chinesa de vigilância de IA Yitu, que tem amplos laços com os serviços de segurança da China e administra monitoramento com reconhecimento facial em todo o país. A empresa também tem ligações com uma gigante chinesa da genética, a BGI, cujas subsidiárias foram colocadas numa lista negra pela administração Biden no ano passado. Xiao também liderou uma empresa que esteve envolvida em 2019 no lançamento e operação de um aplicativo de mídia social, ToTok, que as agências de inteligência dos EUA disseram ser uma ferramenta de espionagem dos Emirados usada para coletar dados de usuários.

Nos últimos meses, o G42 concordou em recuar alguns dos seus laços com a China, incluindo a alienação de uma participação que adquiriu na ByteDance, proprietária do TikTok, e a retirada da tecnologia Huawei das suas operações, segundo autoridades norte-americanas.

Eduardo Wong relatórios contribuídos.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button