Business

Por que a Alemanha não consegue romper com a China

Quando o chanceler da Alemanha, Olaf Scholz, assumiu o cargo em 2021, prometeu que o seu governo mudaria a relação do seu país com a China para longe de uma relação de dependência económica. Três anos mais tarde, a conversa sobre a redução da dependência da China foi substituída por apelos à igualdade de acesso ao mercado chinês para empresas estrangeiras.

Essa estratégia coloca os alemães em conflito com muitos dos seus aliados mais próximos, incluindo os Estados Unidos e outros países europeus, que gostariam de ver a China reduzir o seu recente aumento de exportações no sector da energia verde, incluindo veículos eléctricos. A secretária do Tesouro dos EUA, Janet L. Yellen, falou sobre a imposição de restrições comerciais à China.

Os principais executivos de várias empresas multinacionais líderes sediadas na Alemanha juntaram-se a Scholz na sua viagem de três dias à China, que incluiu uma reunião com Xi Jinping, o principal líder da China, em Pequim, na terça-feira. Todos os líderes da empresa supervisionam grandes operações na China que desejam não apenas manter, mas, em muitos casos, expandir.

Isso deixa Scholz confrontado com o delicado acto de equilibrar as necessidades orientadas para a exportação da sua economia interna com a pressão dos aliados para alavancar a posição do seu país para fazer exigências aos chineses.

As empresas alemãs investiram 10,4 mil milhões de euros, ou 11 mil milhões de dólares, na China no ano passado e, ao contrário das suas congéneres no Japão e nos Estados Unidos, mostraram poucos sinais de declínio.

Alguns analistas vêem isto como uma prova da força alemã na sua posição para promover a sua agenda junto dos líderes chineses.

“A Alemanha desempenha um papel excepcionalmente especial para a China no desenvolvimento da sua economia e também nas relações comerciais externas”, disse Max J. Zenglein, economista-chefe do Instituto Mercator para Estudos da China, em Berlim. A electrónica e a tecnologia electrónica, juntamente com máquinas e produtos químicos, continuam a ser importantes exportações da Alemanha para a China.

“À medida que países como os EUA e o Japão se posicionam de forma muito mais acentuada em relação à China, a Alemanha tem uma função importante no que diz respeito ao acesso à tecnologia e ao capital”, afirmou. “A Alemanha está definitivamente numa posição de força aqui.”

Cerca de 5.000 empresas alemãs estão ativas na China. Mas num inquérito recente a 150 membros da Câmara de Comércio Alemã na Grande China, dois terços afirmaram sentir que enfrentavam concorrência desleal no país.

As empresas alemãs acreditam que os seus produtos oferecem qualidade superior, inovação e liderança técnica em comparação com os fabricados pelos seus concorrentes chineses. Mas o acesso cada vez mais limitado a funcionários governamentais e reguladores preocupa os alemães com a possibilidade de perderem negócios que são fundamentais para o seu sucesso global.

Scholz destacou o papel que as empresas alemãs têm desempenhado na ajuda à China no crescimento da sua economia, em comentários divulgados pelo gabinete da chanceler antes da sua reunião com Xi na terça-feira.

“Nos últimos dois dias, juntamente com uma delegação empresarial, visitei Chongqing e Xangai e fiquei impressionado com a forma como as empresas alemãs contribuem para o crescimento, a inovação e a sustentabilidade na China”, disse Scholz.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, expressou preocupação na semana passada com o facto de a Europa continuar a ser o último mercado totalmente aberto à China. No outono passado, a União Europeia abriu uma investigação para saber se os veículos elétricos fabricados na China beneficiavam de subsídios injustos, com uma decisão esperada para este verão. Ela citou o Brasil, a Turquia e os Estados Unidos como países que estão adotando medidas que poderiam levar a restrições comerciais aos produtos chineses.

Entre os executivos que viajaram com Scholz estavam os chefes da BMW e da Mercedes-Benz – o presidente-executivo da Volkswagen desistiu no último minuto, alegando um conflito. Todos os três principais fabricantes de automóveis da Alemanha investem fortemente na China e parecem decididos a permanecer competitivos no mercado.

“A China é o maior mercado automobilístico do mundo. Somos um fabricante líder de automóveis de luxo e crescemos fortemente na China e temos uma forte presença”, disse Ola Källenius, presidente-executivo da Mercedes-Benz, em comentários à emissora pública alemã ARD. “Sair de um mercado tão grande não é uma opção, pelo contrário, estamos ampliando nossa posição aqui.”

Representantes da indústria automobilística alemã salientam que milhares de empregos na Alemanha dependem das receitas geradas no mercado chinês. Os fabricantes de automóveis alemães dependem cada vez mais de equipas na China para investigação e desenvolvimento em áreas como a condução autónoma, que não são tão avançadas na Europa.

Durante a viagem, ministros dos dois países assinaram um acordo para trabalhar na padronização da tecnologia de condução autônoma.

“Nosso princípio orientador deve ser sempre o livre comércio e a concorrência”, disse Oliver Zipse, presidente da BMW, citando o Japão, a Coreia e outros países que vendem seus carros na Europa. “Não nos sentimos ameaçados pelas montadoras chinesas.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button