News

Recifes de coral em todo o mundo sofrem branqueamento em massa, dizem cientistas

Ao longo das costas, da Austrália ao Quénia e ao México, muitos dos coloridos recifes de coral do mundo adquiriram uma cor branca fantasmagórica, no que os cientistas dizem ter sido o quarto evento de branqueamento global nas últimas três décadas.

Pelo menos 54 países e territórios sofreram um branqueamento em massa ao longo dos seus recifes desde fevereiro de 2023, à medida que as alterações climáticas aquecem as águas superficiais do oceano, disse na segunda-feira o Coral Reef Watch da Administração Nacional Oceânica Atmosférica dos EUA (NOAA), o principal órgão de monitorização de recifes de coral do mundo.

“De fevereiro de 2023 a abril de 2024, foi documentado um branqueamento significativo de corais nos hemisférios norte e sul de cada grande bacia oceânica”, disse Derek Manzello, coordenador do Coral Reef Watch, aos jornalistas.

Os corais são invertebrados que vivem em colônias. Suas secreções de carbonato de cálcio formam uma estrutura dura e protetora que serve de lar para muitas espécies coloridas de algas unicelulares.

O branqueamento dos corais é desencadeado por anomalias na temperatura da água que fazem com que os corais expulsem as algas coloridas que vivem nos seus tecidos. Sem a ajuda das algas no fornecimento de nutrientes aos corais, os corais não podem sobreviver.

“Mais de 54% das áreas de recifes no oceano global estão enfrentando estresse térmico de nível de branqueamento”, disse Manzello.

Corais
Os recifes de coral branqueiam na Grande Barreira de Corais da Austrália enquanto os cientistas realizam monitoramento na água durante o calor marinho no Recife Moore [Grace Frank/Australian Institute of Marine Science/Handout via Reuters]

Tal como o evento de branqueamento deste ano, os três últimos – em 1998, 2010 e 2014-2017 – também coincidiram com um padrão climático El Niño, que normalmente provoca temperaturas do mar mais quentes.

As temperaturas da superfície do mar durante o ano passado quebraram recordes mantidos desde 1979, à medida que os efeitos do El Niño são agravados pelas alterações climáticas.

Por sua vez, a Grande Barreira de Corais da Austrália, o maior sistema de recifes de coral do mundo e o único visível do espaço, foi severamente impactada, tal como vastas áreas do Pacífico Sul, do Mar Vermelho e do Golfo.

“Sabemos que a maior ameaça aos recifes de coral em todo o mundo são as alterações climáticas. A Grande Barreira de Corais não é exceção”, disse a Ministra do Meio Ambiente da Austrália, Tanya Plibersek, no mês passado.

Os recifes do Caribe sofreram um branqueamento generalizado em agosto passado, quando as temperaturas da superfície do mar costeiro oscilaram em torno de 1 a 3 graus Celsius (1,8 a 5,4 graus Fahrenheit) acima do normal.

Os cientistas que trabalhavam na região começaram então a documentar mortes em massa em toda a região. Dos chifres-de-veado aos corais-cérebro, “tudo o que você pode ver durante o mergulho era branco em alguns recifes”, disse à Reuters o ecologista marinho Lorenzo Alvarez-Filip, da Universidade Nacional Autônoma do México.

“Nunca testemunhei esse nível de branqueamento.”

No final do verão do hemisfério sul, em março, os recifes tropicais dos oceanos Pacífico e Índico também começaram a sofrer.

Corais
Uma colônia de Diploria labyrinthiformis exibe perda de tecido devido à doença perto do campus da Universidade das Ilhas Virgens em St Thomas, nas Ilhas Virgens dos EUA [File: Lucas Jackson/Reuters]

Os cientistas alertaram que muitos dos recifes do mundo podem não recuperar do intenso e prolongado stress térmico.

“O que está acontecendo é novo para nós e para a ciência”, disse Alvarez-Filip.

“Ainda não podemos prever o grau de estresse dos corais”, mesmo que sobrevivam ao estresse térmico imediato, acrescentou.

Eventos recorrentes de branqueamento também estão a derrubar modelos científicos anteriores que previam que entre 70% e 90% dos recifes de coral do mundo poderiam ser perdidos quando o aquecimento global atingisse 1,5 graus Celsius (2,7 F) acima das temperaturas pré-industriais. Até à data, o mundo aqueceu cerca de 1,2 C (2,2 F).

Num relatório de 2022 do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, os especialistas determinaram que apenas 1,2 C (2,2 F) de aquecimento seriam suficientes para impactar gravemente os recifes de coral, “com a maioria das evidências disponíveis sugerindo que os ecossistemas dominados pelos corais serão inexistentes”. nesta temperatura”.

corais
Mergulhadores nadam sobre um leito de corais mortos na ilha de Tioman, na Malásia, no Mar da China Meridional [File: David Loh/Reuters]

O evento de branqueamento global deste ano acrescenta ainda mais peso às preocupações entre os cientistas de que os corais estão em grave perigo.

“Uma interpretação realista é que cruzámos o ponto de inflexão para os recifes de coral”, disse à Reuters o ecologista David Obura, que dirige a Investigação e Desenvolvimento dos Oceanos Costeiros do Oceano Índico da África Oriental, a partir de Mombaça, no Quénia.

“Eles estão a entrar num declínio que não podemos parar, a menos que realmente paremos as emissões de dióxido de carbono” que estão a impulsionar as alterações climáticas, disse Obura.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button